Participação da RPPN- Santuário do Caraça no Workshop de Prevenção e Combate a incêndios florestais

1 de novembro de 2011 Sem comentários

bt_workshop2011_01

O workshop promovido pela SEMAD – Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável e voltado para os integrantes da Força-Tarefa Previncêndio (Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, Polícia Civil,Defesa Civil), Organizações Não-Governamentais (ONGs), Ministérios Públicos, entre outros parceiros, apresentou o Plano de Ação para Prevenção e Combate a Incêndios Florestais no Estado de Minas Gerais, 2012.

Os objetivos principais do trabalho são reduzir o número de incêndios florestais nas Unidades de Conservação e dar respostas rápidas no combate às queimadas.

O Plano para Prevenção e Combate a Incêndios Florestais 2012 consta de seis programas operacionais a serem implementados: prevenção e controle; capacitação; combate; infraestrutura e logística; comunicação; fiscalização e investigação. Prevê, também, a execução de um plano estratégico de abrangência em grandes áreas para ser executado com prazo superior a um ano.

O Evento contou com a presença do Secretário de Estado de Meio Ambiente – Dr. Adriano Magalhães, que ressaltou a importância de se envolver a sociedade civil nos trabalhos de prevenção e combate a incêndios. De acordo com o secretário, a prevenção aos incêndios florestais já começou. “Estamos em novembro e sabemos que precisamos nos preparar para o período crítico do ano que vem. Temos de estar preparados, com força-tarefa equipada e treinada, pois não importa se a área queimada será grande ou pequena. Qualquer ocorrência representa uma perda enorme para nossa fauna e flora, bem como para nossos recursos hídricos”, completa.
Segundo a subsecretária de Controle e Fiscalização Ambiental Integrada, Marília Melo, a ideia é criar uma rede bem engajada, formada por todos os integrantes e parceiros da Força-Tarefa Previncêndio. “Precisamos trabalhar juntos, fazendo um planejamento maior, com a inserção de novos atores, a fim de garantir um aprimoramento do trabalho. O Sistema Estadual de Meio Ambiente (Sisema) e a força-tarefa não vão conseguir sozinhos alcançar esses objetivos”, alerta.

Enviar um comentário

Seu e-mail não será publicado. Preencha os campos abaixo.