Biodiversidade na Baixada Caracense

11 de maio de 2018


O canudo-de-pito: árvore típica da Baixada Caracense

É época de floração do canudo-de-pito (Mabea fistulifera) em nossa região. Esta árvore é uma das mais abundantes na baixada caracense, ocorrendo em capoeiras, bordas e clareiras da mata. Suas inflorescências pendentes são bem características e podem ser vistas a longa distância. Assim, nesta época do ano, fiz o seguinte exercício: saí de carro do Sumidouro (altitude: 740 m) em direção ao Santuário do Caraça (altitude: 1.300 m) para verificar até onde eu encontraria esta árvore. Fui observando as matas e suas bordas ao longo da estrada do Caraça e a última que vi estava a cerca de 950 m de altitude. Por este motivo, o canudo-de-pito pode ser considerado típico da Baixada Caracense, não ocorrendo nas partes médias e altas de nossas serras.

Além de vistosas, as inflorescências dessas árvores atraem várias espécies de animais que se alimentam de seu néctar, incluindo mamíferos, a exemplo de morcegos, gambás, quatis e até o ameaçado mono-carvoeiro. Na Baixada Caracense, já observei as seguintes espécies de aves aproveitando-se desse farto recurso: beija-flor-tesoura (Eupetomena macroura), beija-flor-cinza (Aphantochroa cirrochloris), beija-flor-preto (Florisuga fusca), besourinho-de-bico-vermelho (Chlorostilbon lucidus), beija-flor-de-fronte-violeta (Thalurania glaucopis), beija-flor-de-peito-azul (Amazilia lactea), estrelinha-ametista (Calliphlox amethystina), saíra-douradinha (Tangara cyanoventris), sanhaço-do-coqueiro (Tangara palmarum), sanhaço-de-encontro-amarelo (Tangara ornata), saíra-amarela (Tangara cayana), saíra-ferrugem (Hemithraupis ruficapilla), tiê-de-topete (Trichothraupis melanops), tiê-preto (Tachyphonus coronatus), saí-azul (Dacnis cayana) e cambacica (Coereba flaveola). Destaca-se que o beija-flor-de-fronte-violeta, a saíra-douradinha, o sanhaço-de-encontro-amarelo, a saíra-ferrugem e o tiê-preto apresentam distribuição geográfica restrita à Mata Atlântica.

A importância do néctar do canudo-de-pito como recurso alimentar para aves já foi destacada por vários pesquisadores em outras regiões da Mata Atlântica. Admite-se que a floração do canudo-de-pito seja muito importante para a alimentação das aves no início da estação seca, quando haveria uma menor oferta de alimentos. Uma vez que o canudo-de-pito é característico de bordas florestais e matas secundárias, atraindo beija-flores, saíras e sanhaços, sua utilização como árvore pioneira em programas de revegetação em nossa região pode ser uma boa alternativa para a atração de aves que contribuirão com preciosos serviços ambientais, a exemplo da polinização e da dispersão de sementes.
Para saber mais sobre o canudo-de-pito na Baixada Caracense, veja: https://www.youtube.com/watch?v=Gu0fa_w9SfM

Dr. Marcelo Ferreira de Vasconcelos Biológo e Naturalista

Deixe aqui o seu comentário: