Capelinha

VOLTAR

capelinha

À Capelinha do Coração de Jesus se vai por uma trilha íngreme de 2 km, que exige certo esforço para ser toda percorrida, devido à altura da Capela, que está 200m acima do Centro Histórico. A trilha começa no estacionamento dos visitantes, perto do lago. Adentrando a mata, caminha-se sempre à frente, passando por um descampado e logo voltando para a trilha mais fechada. Mais no alto, de onde já se pode ver o Centro Histórico do Caraça, um cabo de aço ajuda os visitantes na subida por umas grandes pedras. Para aqueles que querem fazer menos esforço, uma trilha, a modo de escada, foi preparada, desviando, em parte, o visitante dessas pedras. Logo depois dessas grandes pedras, pelas quais se passa caminhando, e não escalando, depara-se com a Capelinha.

A Capelinha na voz e no coração do Padre Sarneel

“Na chamada serra do Felizardo e a uma altura de duzentos metros do Colégio, uma simples e modesta capelinha, sem torres e sem ornatos, atrai a curiosidade dos turistas. A sua história é triste, mas edificante.

Em 1863, funcionava no Caraça o seminário maior de Mariana. Os seus mestres e alunos tinham particular devoção a Nossa Senhora de todas as graças que aparecera, em 1830, a uma jovem noviça da Companhia das Filhas da Caridade, fundada por São Vicente. Resolveram construir, na serra do Felizardo, um pequeno santuário, dedicando-o a Nossa Senhora das Vitórias, cujo culto então estava em voga, assim como também a sua confraria que tinha a Medalha Milagrosa por insígnia e distintivo. Dom Viçoso veio de Mariana para colocar a primeira pedra. Benzeu-a com entusiasmo e confiança, pregando um piedoso sermão à sombra dos arvoredos da serra feliz. Achou poético o lugar. Tão lindo o achou que decidiu se construísse, também, ao lado da igrejinha, uma grande casa para noviços, missionários e exercícios espirituais. Determinou que se fizessem as portas e janelas iguais às da velha ermida do Irmão Lourenço. Mandou comprar, já e já, lâmpada, cálice e castiçais, custódia e turíbulo. Pediu que fosse reservado para sua moradia um quartinho de onde pudesse assistir à missa e visitar o Santíssimo Sacramento. Deu ao edifício começado o sugestivo nome de Cenáculo, exclamando:‘Oh! Se tivesse a felicidade de morar e morrer no Cenáculo, estou certo que Deus então me perdoaria todos os pecados e me livraria do inferno .

Já em 1866, estava concluído, telhado e rebocado. Mas não se inaugurou o Cenáculo. Ficou abandonado e foi demolido. Nenhum noviço, nenhum missionário chegou a habitá-lo. No seu Cenáculo não morreu nem morou Dom Viçoso, que já tinha reunido, para lhe formar uma biblioteca, muitos livros ascéticos, nos quais escreveu com amor:‘do Cenáculo’ – e que se acham hoje na grande biblioteca do Caraça. Dom Viçoso foi entregar a alma a Deus na sua querida cartuxa de Mariana. “Raras vezes, fundação tão santa foi objeto de tantas esperanças, seguidas de tamanha desilusão…”

Vai, peregrino, contemplar as ruínas do Cenáculo. São talvez a imagem de muitos dos teus sonhos. Elas te ensinarão a murmurar: ‘Seja feita a santíssima vontade de Deus’.
Só ficou, na serra do Felizardo, a capelinha do Coração Imaculado de Maria, da Virgem justamente chamada Mãe dos Homens porque é a Mãe da Graça e distribuidora de todas as graças. O seu adro, cheio de pedras soltas e arbustos silvestres, é uma tribuna feita por Deus, de onde se avista toda a vasta e verde planície do Caraça.

Como é bom e salutar passear um pouco nessa sacada sem parapeito e lançar com toda a força dos pulmões e todo o ardor do coração, pela amplidão abaixo, a invocação: ‘Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós’.

Sobe, romeiro, a serra do Felizardo. É a serra dos milagres da medalha graciosa e feliz. É a feliz serra da Graça. Na solitária capelinha, Maria te dará a sua bênção, assegurando-te a felicidade de entrares um dia no céu.
O Cenáculo é uma ruína. E a própria igrejinha que ficou teve de mudar de nome. Não é mais do Coração de Maria a capela que os bons seminaristas de Mariana, sob a inspiração de seu diretor Miguel Sipolis, levantaram à sua custa e com a sua piedade. Dedicaram-na, posteriormente, os padres santos do Caraça ao Sagrado Coração de Jesus. E, assim, a Mãe passou ao Filho seu trono de graças, na poética serra do Felizardo. Talvez não quisesse a Virgem Mãe ter, ela só, dois tronos, e o seu Filho nenhum, nas montanhas do Caraça.

Por isso, romeiro feliz, depois de tua invocação a Maria Imaculada, canta mais devotamente ainda a felicitante jaculatória: ‘Coração de Jesus, tende compaixão de mim’. E Jesus ouvirá melhor a prece de sua Mãe e terá mais piedade de ti e mais certamente te dará a bem-aventurança eterna. Assim seja. Assim seja”

Padre Pedro Sarneel, C.M.
Guia Sentimental do Caraça, 1953

Clique aqui e envie o seu depoimento para o site do Caraça.

Galeria de Fotos: