Bom Dia! Sexta-feira, 19 de Dezembro de 2014  
INÍCIO CURATO PASTORAIS
PASTORAIS

 

EVENTOS GALERIA DE FOTOS FALE CONOSCO

     
 

 

Festa: 19 de março
Ano da construção: 1800 a 1874

Atualmente a igreja está em restauração. É tombada pelo Patrimônio Histórico municipal. No salão ao lado são realizadas as celebrações, os encontros de formação e as reuniões da comunidade.

A Capela de São José foi construída no século XIX e reflete em seu interior a mesma singeleza do exterior. Em sua estrutura, possui apenas um retábulo de entalhe simples e pouco ornamentado. Já sofreu diversas intervenções, mas ainda preserva o seu coro e púlpito originais.
A igreja foi construída com o esforço das pessoas da própria Comunidade. A família dos Baião e Lopes contribuiu para a construção da capela. Dona Brasilina, senhora piedosa, doou muito ouro para ser revertido em materiais para construção.
Atualmente a igreja está passando por uma reformam, fruto da parceria entre a Comunidade com a Associação Comunitária, a Prefeitura de Santa Bárbara e a mineradora AngloGold Ashanti.

PASTORAIS E MOVIMENTOS DA COMUNIDADE

Catequese, Pastoral do Batismo, Pastoral Familiar, Pastoral Litúrgica, Coral, Ministros da Comunhão, Grupo de Jovens, Pastoral da Criança, Pastoral da Esperança, Pastoral do Dízimo, Sociedade de São Vicente de Paulo (Vicentinos), Apostolado da Oração, Irmandade do Santíssimo, Renovação Carismática Católica (RCC)

HORÁRIOS

Catequese: terça-feira às 17h / quarta-feira às 16h30
Catequese da Crisma: terça-feira às 18h
Celebração da Palavra: quinta-feira às 19h30
Sociedade de São Vicente de Paulo: domingo às 8h / quinta-feira às 19h
Grupo de Jovens: sábado, de 14 em 14 dias às 8h
Adoração: primeiro sábado às 19h
Apostolado da Oração: quarto domingo às 17h
Conselho: quarto domingo às 8h
Pastoral da Criança: quarto sábado às 8h
CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA: primeira sexta-feira às 19h e aos domingos às 18h
CELEBRAÇÃO DA PALAVRA: quinta às 19h

HORIZONTES MISSIONÁRIOS

1. Formação de Lideranças:
formação permanente para os Leigos, tendo em vista seu maior comprometimento e a mais ampla consciência de sua condição de sujeitos da evangelização.

2. Ministério da Visitação:
visita às famílias da Comunidade, tendo em vista a importância do serviço, da acolhida e do encontro no processo de evangelização.

3. Rede de Comunidades:
estruturação e fortalecimento do Curato como uma rede de Comunidades, que tem, para além da proximidade, um projeto pastoral em comum e uma orientação missionária própria.

4. Catequese:
organização da Catequese, a partir da aquisição de material adequado e da formação permanente dos Catequistas.

PRIORIDADES PASTORAIS

1. Catequese:
organização de um organograma de Catequese para a Comunidade; formação dos Catequistas; preparação comum dos encontros de Catequese; visitas às crianças, adolescentes e jovens catequizandos e a suas famílias.

2. Família:
acompanhamento do encontro preparatório para o Matrimônio; visitas aos encontristas; ampliação da equipe; formação dos agentes; encontros para as famílias da Comunidade; incentivo aos encontros de renovação matrimonial; trabalhar a acolhida fraterna, com especial atenção às famílias afastadas e aos casais de segunda união; favorecer aos casais que vivem juntos o sacramento do Matrimônio.

3. Batismo:
renovação da celebração litúrgica; visitas às famílias das crianças; formação continuada da Equipe do Curato.

4. Dízimo:
divulgação da importância do Dízimo; aumento do número de dizimistas; fortalecimento da Pastoral do Dízimo, ampliando a equipe; aprofundamento do sentido do Dízimo na vida da Comunidade.

5. Estudo:
leitura e aprofundamento do PAE (Projeto Arquidiocesano de Evangelização).

6. Coroinhas:
formação das crianças para auxiliar no altar.

7. Pastoral da Acolhida:
organização e formação

8. Pastoral litúrgica:
formação e acompanhamento das equipes de liturgia.

9. Ministros Extraordinários da Comunhão:
formação e acompanhamento dos ministros.

URGÊNCIA HUMANITÁRIA

Apoio, incentivo e presença junto ao CETERC (Centro Terapêutico Renascer em Cristo); atenção aos bolsões de pobreza da Comunidade.