Nossa Senhora Mãe dos Homens

VOLTAR

nossa senhora

A devoção à Santíssima Virgem Maria, invocada como Nossa Senhora Mãe dos Homens, surgiu em Portugal, no século XVIII. Foi iniciada por Frei João de Nossa Senhora, do Convento de São Francisco das Chagas, em Xabregas, um bairro de Lisboa.

Frei João era um exímio pregador, um verdadeiro literato, chegando a ser conhecido como “o poeta de Xabregas”. Com esta facilidade de oratória, pregava sempre e em todo canto, empunhando sempre um crucifixo em suas mãos, convocando o povo à conversão e à volta para Deus por meio de Maria, a Senhora Mãe dos Homens.

A imagem, desejada pelo iniciador da devoção e esculpida por José de Almeida, apresentava a Virgem Maria, medindo seis palmos de altura, com a mão direita erguida abençoando, e, no braço esquerdo, o Menino Jesus.
Carregando a imagem por onde ia, sempre preocupado com a conversão das pessoas, a todos Frei João ensinava a seguinte jaculatória: “Virgem Mãe de Deus e Mãe dos Homens, lançai-nos a vossa bênção”.

Em 1758, em seu próprio Convento, na cidade de Lisboa, Frei João de Nossa Senhora faleceu santamente, deixando atrás de si uma multidão de devotos de Nossa Senhora Mãe dos Homens e um legado que, dali, se expandiria por vários lugares do mundo.

Esta devoção chegou, segundo alguns relatos, ao Brasil trazida pelo Irmão Lourenço de Nossa Senhora, que fundou a Ermida e o Hospício de Nossa Senhora Mãe dos Homens, no ano 1774.

Com o desenvolvimento de seu Santuário e a crescente devoção à Senhora Mãe dos Homens, o Irmão Lourenço fundou também a Irmandade de Nossa Senhora Mãe dos Homens, aprovada por um Breve do Papa Pio VI no dia 12 de agosto de 1791. Foi com a ajuda dos devotos que o Caraça foi sendo construído, a partir de doações, esmolas e trabalho em mutirão. Tal Irmandade, que existiu até 1885, teve em suas fileiras 23.226 fiéis inscritos. O livro da Irmandade, de beleza sem igual em suas anotações e regras, e o livro com os nomes nela inscritos encontram-se, hoje, no Arquivo do Caraça.

No entanto, no Rio de Janeiro-RJ, já em 1750 havia um oratório dedicado à Mãe dos Homens, nas proximidades do canto da Quitanda dos Pretos, da Quitanda do Marisco, do Capitão Alexandre de Castro, e mais tarde de Pero Domingues. Estes oratórios eram construídos e mantidos por particulares e muito respeitados e reverenciados pelo povo. Não eram igrejas, mas, como o próprio nome diz, um oratório. Havia também oratórios cravados em muros, feitos de pedras e nas praças da cidade. A Igreja de Nossa Senhora Mãe dos Homens, do Rio de Janeiro, por sua vez, só começou a ser erguida depois de 1779, quando foi feita a medição do terreno e a previsão de gastos para a cantaria da fachada e o interior do templo. Nesta data, a primitiva Ermida do Caraça, toda barroca, já estava pronta e com licença para ser abençoada.

No Brasil, há pouquíssimas igrejas dedicadas a Nossa Senhora Mãe dos Homens: pelo menos, 17 igrejas, dentre as quais a antiga Igreja localizada na Rua da Alfândega no Rio de Janeiro-RJ. As demais Igrejas de que se tem notícia estão no Caraça, em Porto Feliz-SP, Urubici-SC, Ouro Branco-MG, Belo Horizonte-MG, Campos dos Goytacazes-RJ, Cuiabá-MT, Estrela do Sul-MG, Coqueiro Seco-AL, Palmas de Monte Alto-BA, João Câmara-RN, Iúna-ES, Santo Afonso-MT, Araranguá-SC, Materlânidia-MG e Água Santa de Minas – Tombos/Minas Gerais.