Reliquias

corpo sao martir1 ReliquiasO corpo de São Pio Mártir

O corpo de São Pio Mártir, o primeiro corpo de santo que veio para o Brasil e por muito tempo a maior relíquia em terras brasileiras, chegou ao Caraça em 1797, como oferta do Papa Pio VI, que muito agraciou o Santuário do Irmão Lourenço com indulgências, graças e favores espirituais.

Tal relíquia compreende o corpo todo do Santo, revestido de cera. Num cálice, há areia de seu túmulo e um pouco de sangue. Aproximando-se do relicário, podem-se perceber claramente as unhas e os dentes superiores do Mártir.

Esteve por muito tempo no altar barroco do lado esquerdo da Igreja, como o deixou o Irmão Lourenço. Quando da construção da atual Igreja e nos tempos da Escola Apostólica do final do século XIX, esteve na Sala de Oração dos Padres. Depois foi levado para a tribuna da esquerda, para onde se ia através de uma escada externa, localizada num dos corredores do Claustro. Finalmente, a partir de 1992, foi colocado sob o altar das Celebrações.

Depositado sob o altar principal do Santuário de Nossa Senhora Mãe dos Homens, o corpo de São Pio Mártir faz os fiéis lançarem os olhos para a espiritualidade martirial, cultivada e incentivada na Igreja desde os seus primórdios. O mártir é aquela testemunha fiel do Senhor, que, em meio às perseguições, não titubeia em sua fé nem se deixa esmorecer no caminho do seguimento de Jesus. Morrendo por Deus e pelo Reino de Deus, o mártir associa de maneira toda especial sua vida à vida de Jesus, assim como sua morte, momento derradeiro da opção evangélica e da verificação de sua fidelidade.
Celebrar a Missa sobre relíquias une liturgicamente a memória (vida e sangue doados) de Jesus à memória (vida e sangue doados) de seus seguidores, os Mártires.

 1. Um santo envolto em muitos mistérios

A relíquia de São Pio compreende todo o corpo do santo revestido de cera, um cálice com sangue misturado a areia, unhas e dentes. As relíquias foram trazidas de Roma em 1792 para reforçar a religiosidade popular, além de confirmar os favores pontifícios concedidos ao Santuário do Caraça, nesta época merecedor das benesses do Papa Pio VI.

A doação da relíquia teve como escopo papal a consolidação do Santuário de Nossa Senhora Mãe dos Homens como um aprisco de Cristo, longe daqueles que se achavam governados pelos interesses mundanos. Por essa época, estes rincões das Minas Gerais eram mananciais de vícios, superstições e beatices, onde havia potentados, sanguinários e devassos, que, contudo, não se descuidavam de que tinham alma, e, portanto, pensavam em sua salvação.

O estudioso Romain Roussel conta que, desde os tempos mais recuados da Idade Média, certos fiéis peregrinos se deixaram seduzir pelas indulgências. “Aqueles que viam a Vernicle (a imagem do Salvador gravada na toalha da Verônica, que se conserva em Roma) – escreve o autor francês – conseguiam beneficiar-se de uma redução de 9000 anos de purgatório, se vinham de um país vizinho, e de 12000 anos se atravessassem o mar (os moradores de Roma, em igual caso, não lucravam senão 3000 anos)”. No Caraça, os que vinham venerar as relíquias de São Pio Mártir tinham uma remissão de um terço de seus pecados.

2. Relíquia reconhecida pela Sagrada Congregação das Indulgências

São Pio Mártir é o primeiro corpo de santo vindo para o Brasil e o Irmão Lourenço o recebeu como oferta da Santa Sé para a glória do seu Santuário. Foi um favor extraordinário a doação desta insigne relíquia. A Autêntica dessa relíquia consta de documento, datado e assinado em Roma, aos 9 de julho de 1792.

_________________________________________________________

AUTÊNTICA

Frei Xavier Cristiano da Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho, mercê de Deus e da Santa Sé Apostólica, Bispo de Porfírio, Sacristão e Prelado Doméstico de Sua Santidade e Assistente ao Sólio Pontifício.
A todos e a cada um que virem as Nossas Letras certificamos que nós, para maior glória de Deus Onipotente e veneração de seus Santos, por mandado do Santíssimo Papa, Nosso Senhor, extraindo das Sagradas Relíquias do Cemitério de Santa Siríaca e reconhecidas e aprovadas pela Sagrada Congregação das Indulgências e Sagradas Relíquias, demos o Sagrado Corpo com vaso de sangue de São Pio Mártir, colocado em uma caixa de madeira, coberta de papel pintado, e ligado com fita de seda, bem fechada e selada com o Nosso Selo pequeno, e a todos a quem pertence concedemos em o Senhor faculdade para que possa conservar em si a dita Sagrada Relíquia, dar a quem quiser, e expor à pública veneração em qualquer igreja, oratório ou capela, sem Ofício, porém, nem Missa. Na forma do decreto da Sagrada Congregação dos Ritos de onze de agosto de mil seiscentos e noventa e um. Para fé do que mandamos expedir pelo Nosso Secretário abaixo assinado as presentes Letras, subscritas pelo nosso próprio punho e seladas com o Nosso Selo.
Dado em Roma aos nove de julho de mil setecentos e noventa e dois.
Assinado, Fr. Xavier – Bispo de Porfírio

_________________________________________________________

Era um soldado romano morto por professar a fé cristã, cujo corpo foi encontrado na Catacumba de Santa Ciríaca. Recebeu, na doação ao Caraça, o nome de Pio em homenagem ao Papa Pio VI que governava a Igreja na época.

As relíquias de São Pio chegaram ao Caraça em 16 de maio de 1797, vindas da arquidiocese de Mariana, para onde foi enviada pelo Vaticano, para posteriormente serem entregues ao Irmão Lourenço, o eremita do Santuário do Caraça.

_________________________________________________________

Documento do Bispado de Mariana

Dr. Antonio Alves Ferreira Rodrigues, Arcediago na Sé e provisor deste Bispado, etc.
Faço saber que, alcançando o Irmão Lourenço de Nossa Senhora, da Santa Sé Apostólica, o sagrado corpo com vaso de sangue de São Pio Mártir, com ele também alcançou a sua respectiva Autêntica, traduzida na língua vulgar como se lê acima.

“Com a qual Autêntica, requerendo o Irmão Lourenço de Nossa Senhora, ao ilustríssimo e Reverendíssimo Cabido licença de poder, depois de feitas as necessárias cerimônias, expor à veneração dos fieis deste Bispado o referido corpo de São Pio Mártir, por seu despacho de cinco do corrente me remeteu o mesmo Reverendíssimo Cabido para proceder na forma de Direito, e eu, pelo meu, mandei e procedi como o Reverendíssimo Dr. Inácio de Souza Ferreira, Cônego Prebendado na Sé Catedral deste bispado, e Escrivão da Câmara Eclesiástica dele, a examinar se a dita  caixa e corpo aí encerrado tinha todos os sinais e notas  descritas na sobredita Autêntica e como se achasse tudo da mesma forma como nela se declarava, a parte de vaso de sangue, e para sua autenticidade a fim de se prestar aquele culto e veneração com que a Santa Igreja Católica tem determinado se honrem as relíquias dos santos, mandei passar a presente, em que interponho minha autoridade ordinária e decreto judicial. E será registrado no Livro do Registro Geral.

Dada e passada nesta Leal Cidade de Mariana, sob o selo de a Mesa Capitular aos 16 de maio de 1797.
E eu. José da Costa Ferrão, Escrivão da Câmara Eclesiástica a subscrevi. Antônio Álvares Ferreira Róis- Ferrão: Reg.: Ger; 1797, a (fls. 90 e 90v).”

_________________________________________________________

As relíquias, tão logo chegaram ao Santuário, no alto da Serra, foram colocadas num altar barroco, do lado esquerdo da igreja, especialmente construído para servir de morada última àquele soldado romano que sucumbiu ao terror de Roma em nome da fé cristã.  Dois séculos depois, em 16 de maio de 1992, nas comemorações do bi-centenário da entronização da relíquia no Santuário, a preciosidade foi transferida, após ter ficado nas tribunas da igreja neogótica, para o altar das celebrações, com o objetivo de facilitar a visitação e instrução dos fiéis e para que assim se cumprisse o desejo do Irmão Lourenço e do Vaticano.

Os restos mortais de São Pio emprestam ao Santuário de Nossa Senhora Mãe dos Homens ares de religiosidade plena, até então só testemunhada nas sombrias catacumbas romanas. Reedita-se assim, no Caraça, uma prática comum nos primeiros séculos da Igreja, quando nas catacumbas se celebrava a Santa Missa sobre o túmulo dos Mártires. Hoje, no Caraça, sobre o corpo de São Pio Mártir, faz-se o mesmo, pedindo a Deus fidelidade à graça do batismo e heroísmo até a morte, se necessário for.