RPPN – Hidrografia

VOLTAR

Hidrografia

(Projeto Caraça I e II. Fundação Brasileira para a Conservação da Natureza – FBCN)

As condições geológicas, geomorfológicas e climáticas da Serra do Caraça tornam abundantes os recursos hídricos superficiais da região.

Verifica-se a existência de numerosas bacias intra-montanas, com níveis de acumulação locais, onde passagens estranguladas ou sumidouros (com blocos desmoronados, freqüentemente) dão lugar à formação de barragens temporárias onde há depósitos de sedimentos durante as cheias. As turfeiras depositadas ao longo do alto curso do Ribeirão Caraça e seus afluentes se originam do Córrego do Felipe.

A área da RPPNSC tem definido seus limites por um sistema de águas vertentes e constitui-se de duas bacias fechadas, a do Ribeirão Caraça e a do Córrego Capivarí. Somente duas das nascentes de dois dos afluentes do Ribeirão Caraça, o Córrego da Cascata e do Córrego do Brumadinho, têm parte de seus cursos fora do limite leste da Reserva.

A bacia do Ribeirão Caraça, na reserva, abrande uma área de 7.300ha. Seus principais afluentes, de montante para jusante são: na margem direita, o Córrego Cascatas e o Córrego Cascatinha, este último com uma bacia de 44ha de área e uma cachoeira de 40m de queda em seu baixo curso. Na margem esquerda, o Córrego Canjerana com uma bacia de 66ha de área, o Córrego da Barragem que alimenta o Tanque Grande, o Córrego Cascudos, Córrego Taboão e o Córrego do Engenho.

O Ribeirão Caraça, que nasce a 1.920m de altitude e na encosta do Inficionado, é bastante declivoso até a confluência com o Córrego Cascatinha a 1250m. Em seu curso médio o talvegue se instala em uma bacia intra-montana, formada pelo grande anfiteatro da Serra do Caraça, a uma altitude de 1250m.

O baixo curso é marcado por uma grande cachoeira, de mais de 90m de queda, a Cascatona, e estende-se além do limite norte da reserva, pouco antes de receber o Córrego do Engenho a uma altitude de 720m.

Em toda a bacia desenvolve-se o padrão dendrítico de drenagem, ocorrendo também, a tomada dos cursos d‘água pelas linhas de falhas e escarpas rochosas.

A bacia do Córrego Capivarí conta com uma área de 4.100ha. Seus principais afluentes são os da margem esquerda, de montante para jusante: o Córrego do Retiro com uma cachoeira de 30m de queda, o córrego da Jaca e o córrego do Felipe, este ultimo com uma bacia de 1.700ha.

O Córrego Capivari tem suas nascentes na Serra do Maquiné, interflúvio desta bacia com a do Ribeirão Caraça a mais de 1.600m de altitude. Tem o seu curso no sentido Leste-Oeste, com um vale bastante encaixado entre duas vertentes abruptas até o momento em que há confluência com o córrego do Felipe onde o vale se torna bem aberto.

A partir dai o curso encontra o limite oeste da Reserva e precipita-se em grande queda, de 150m, na Cachoeira do Capivari, quando chega ao Vale ao Rio Conceição.

A drenagem nesta bacia assume um padrão radial centrifugo a partir do Piçarrão, onde divergem diversos cursos tributários do Córrego do Capivari. Ocorre também o padrão dendrítico de drenagem, tal como na bacia do Caraça.

Graças à grande disponibilidade de água o Caraça pode contar ainda com dois tanques artificiais: o tanque Grande, que é abastecido pelo Córrego da Barragem e o tanque São Luis, que abastece a sede do Caraça.

Existe alguma dificuldade no que refere a adoção correta dos nomes de alguns córregos como o Capivari, por exemplo, que aparece ainda com os nomes de Córrego do Engenho e Córrego do Açude. Vários outros pequenos cursos ainda não tem denominação especifica, o que dificulta sua identificação.

Deliberação Normativa COPAM nº 09, de 19 de abril de 1994. ―Dispõe sobre o enquadramento da Bacia do Rio Piracicaba‖

Trecho 24 – Ribeirão Caraça das nascentes até a confluência com o córrego Quebra Ossos – Classe Especial.

Trecho 25 – Ribeirão Caraça da confluência com o Rio Conceição – Classe 1.

Trecho 26 – Córrego Quebra Ossos das nascentes até a confluência com o córrego Brumadinho (segundo) – Classe Especial.

Techo 27 – Córrego Quebra Ossos, da confluência com o córrego Brumadinho (segundo), até a confluência com o Ribeirão Caraça – Classe 1.