Processo de Beatificação de Dom Viçoso

Dom Antonio José Ferreira Viçoso (1787-1875), português, (natural de Peniche, /Leiria, aos 13 de maio de 1787), ordenado sacerdote pela Congregação da Missão, em 1818, na Sé Patriarcal de Lisboa. Em 1819, o Superior da Congregação da Missão, atendendo a pedido de Dom João VI, para que mandasse sacerdotes para o Brasil, enviou o jovem Padre Viçoso e seu co-irmão Padre Leandro Rabelo de Castro. Foram encaminhados ao interior de Minas, a um edifício de sólida construção, deixado pelo ermitão Irmão Lourenço para que fosse instalado ali alguma obra de ação social. Naquele local, os dois padres fundaram o Colégio do Caraça.

Dom Viçoso, ocupado depois na educação da juventude, esteve por 15 anos em Jacuecanga, entorno de Angra dos Reis. Regressando a Minas (1837), foi eleito Superior Geral dos Lazaristas e, no ano de 1844, separado para o episcopado.

Ordenado Bispo no Mosteiro de São Bento, Rio de Janeiro, governou, com inexcedível zelo pastoral, o bispado de Mariana por 29 anos: foi então pai extremoso dos pobres e órfãos, protetor dos escravos, abnegado missionário, reformador do clero, defensor dos direitos da Igreja, exemplar devoto da Virgem Maria.

D. Viçoso foi o 7º bispo de Mariana, nomeado em 1843. Além de reformar o clero da sua diocese, foi um educador e um grande guerreiro na conscientização do povo mineiro contra a escravidão as queimadas e a preservação das matas. Criou em Minas Gerais o primeiro colégio feminino, em 1849. Quando faleceu, na Cartuxa, em Mariana, em 07 de julho de 1875, já era considerado santo pelo povo que o amava muito.

Existe na Arquidiocese de Mariana o processo em andamento, aberto no dia 13 de dezembro de 2007. Na ocasião, acontecia a primeira sessão do Tribunal Eclesiástico para o processo de beatificação de dom Antônio Ferreira Viçoso.

Fonte: Assessoria de Imprensa – CNBB